Ipsis Litteris

Revisão de textos



sábado, 27 de novembro de 2010

Afinal, o que querem as mulheres?

Apesar do horário, estou me divertindo com a minissérie global Afinal, o que querem as mulheres?. A quebra do ritmo linear da história, o figurino, a metalinguagem, as cores fortes, a poesia na fala dos personagens, tudo muito interessantemente combinado para narrar a repercussão de uma tese de doutorado em psicologia. E também abertura não poderia deixar de chamar a atenção: a colagem de recortes de pinturas e fotos e, em especial, a letra da música de abertura, que ricamente abusa da composição por aglutinação e dá forma a cômicos neologismos e uma profusão de mulheres e desejos eróticos que elas suscitam.

Observanessa, perceberenice, arriscamila,
Embromárcia, aproximargareth,
Conversarah, envolverônica, submetereza

Sentirene, conquistarlete, mescláudia,
Lambeatriz, abraçabrina,
Mordenise, amaria, beijanaína

Ligou o nome à pessoa, perdoa, pessoa...

Agradesimone, esclareceleste, buscarmen,
Surtatiana, pensophia
Vacilaura, enciumonique, engolívia

Desejanice, agarraquel, roubárbara,
Ligabriela, esquecelina
Provocarla, concordana, suplicarolina

Ligou o nome à pessoa, perdoa, pessoa...

O uso estilístico da composição como processo de formação de palavras escolhido pelo autor da música aproxima uma determinada mulher de uma determinada ação. A composição por aglutinação vai além: a mulher e a ação se fundem, se misturam, uma é a outra, uma qualifica a outra. O refrão, em tom ambíguo, ao mesmo tempo que reforça essa ligação física mulher-ato, deixa transparecer a tentativa do eu-lírico de falar com "meias palavras" (literal e metafóricamente) a respeito de seus desejos e das mulheres que lhos provocam.

Um comentário:

caricartunista disse...

Nunca assisti a esta série, mas fiquei curioso. Vi um comercial na TV apenas uma vez e fiquei curioso porque um dos atores é o Michel Melamed, e ele costuma ter projetos interessantes.

A música me lembrou Joana Francesa, do Chico, quando ele funde "acorda" com "d'accord". Vou tentar assistir algum episódio, quando puder.

Até, Chaucer!